Winklevoss acusam ex-sócio de ter roubado 5.000 Bitcoins (BTC)

Winklevoss acusam ex-sócio de roubo

Os irmãos Winklevoss acusaram um ex-sócio de um roubo milionário. Sendo assim, segundo a acusação foram roubados cerca de 5.000 unidades de Bitcoins (BTC). O roubo teria acontecido através de um ex-sócio dos milionários, chamado Charlie Shrem. Segundo os irmãos Winklevoss, Charlie roubou 5.000 Bitcoins (BTC) da dupla que busca recuperar a quantia milionária em criptomoedas perdida.

Os excêntricos irmãos Winklevoss são dois milionários do mundo das criptomoedas. Além de investirem em ativos digitais, os irmãos são donos da plataforma Gemini. Porém, o roubo de 5.000 Bitcoins (BTC) não aconteceu através da plataforma. Sendo assim, o furto teria acontecido mais diretamente, após um ex-sócio dos irmãos não repassar a quantia milionária de Bitcoins (BTC) para os Winklevoss.

Irmãos investiram US$ 750 mil em 2012 para Charlie comprar Bitcoins (BTC)

Roubos envolvendo criptomoedas podem acontecer de diversas formas. Porém, no caso dos irmãos Winklevoss, o roubo teria acontecido de forma bem diferente dos ataques habituais. Os irmãos teriam emprestado uma quantia em dinheiro para Charlie, que atualmente está preso. Sendo assim, esse valor foi emprestado em 2012 para o criminoso. Contudo, desde então os irmãos Winklevoss nunca mais viram o dinheiro investido em Charlie.

Esse valor deveria ser utilizado para ser aplicado em 5.000 Bitcoins (BTC) na época em que tudo aconteceu. Porém, a quantia milionária de criptomoedas da dupla Winklevoss nunca foi entregue por Charlie, que está sendo processado pelos irmãos. Dessa forma, o criminoso poderá responder também por este delito, já que cumpre pena por ter cometido outro crime em 2014.

Homem já cometeu outros crimes e está preso desde 2014

Parece que Charlie possui um forte envolvimento com crimes relacionados as criptomoedas. Dessa forma, foi por um delito relacionado aos ativos digitais que o ex-sócio dos irmãos Winklevoss foi preso há quatro anos atrás. Assim, como os irmãos, Charlie também apostava em criar negócios e na época era dono da Bitinstant.

Mas a empresa de Charlie acabou sendo investigada, o que levou à prisão do criminoso em 2014. As autoridades descobriram que a Bitinstant estava sendo utilizada para a comercialização de drogas através de criptomoedas. Sendo assim, Charlie acabou preso por ter colaborado com este tipo de comércio. Além dos irmãos Winklevoss, Charlie também possui dívidas com o governo norte-americano, algo em torno de US$ 950 mil.