Justiça está atrás de um dos precursores do Bitcoin no Brasil

Daniel Fraga é procurado pela justiça

Daniel Fraga é um dos pioneiros do Bitcoin (BTC) no Brasil e está sendo procurado pela justiça. Contra o investidor existem diversos processos que podem levar Daniel Fraga para atrás das grades. Porém, a justiça não encontrou Daniel até então, em busca de penhorar bens do investidor.

Investimentos em criptomoedas devem ser declarados a receita federal. Por mais que as criptomoedas não sejam regulamentadas no Brasil, investimento em ativos digitais podem ser taxados. Isso poderá evitar que problemas com a justiça aconteça, como o caso de Daniel Fraga. Porém, no caso do investidor, a investigação partiu a respeito de um vídeo publicado por ele na internet.

Homem está sendo processado por caluniar a Receita Federal

Daniel Fraga fala em um de seus vídeos no Youtube como a “Receita Federal ensina a roubar”. Desse modo, o vídeo rendeu um processo ao investidor de criptomoedas, por calúnia e difamação. Além de Daniel, a empresa Google está sendo citada neste processo, que é apenas um dos quais o investigado responde na justiça brasileira.

Nesse caso, o processo refere-se ao ano de 2015 e até então não foi solucionado. Isso porque Daniel não possui nada em seu nome. Sendo assim, a justiça brasileira encontra dificuldades para localizar Daniel Fraga. Em um dos processos foi autorizado a penhora de bens do investidor, mas Daniel não foi encontrado em nenhum dos endereços que a justiça possuía.

Daniel Fraga não é localizado desde janeiro de 2018

Além de caluniar a Receita Federal, Fraga utilizou a imagem de dois auditores fiscais em um de seus vídeos como pano de fundo nas imagens. Desse modo, o investidor proferiu xingamentos contra os servidores, dizendo que eles são “bandidos”. Porém, a justiça tenta, sem sucesso encontrar Daniel Fraga.

Há cerca de um ano o investidor não é encontrado pela justiça. Segundo informações de um dos processos, que não corre em sigilo, Daniel foi encontrado pela última vez em janeiro de 2018. Dessa forma, desde esta data o investidor possui um paradeiro incerto, sendo um procurado pela justiça brasileira.