Cinco países se unem para investigar crimes tributários envolvendo criptomoedas

cinco países se unem contra crimes tributários

Cinco países resolveram se unir no combate a crimes tributários envolvendo criptomoedas em todo o mundo. Conhecida como J5, o agrupamento permitirá maior controle tributário entre relações envolvendo criptomedas.

A Global Tax Enforcement surgiu para apoiar economias mundiais que buscam coibir ações de lavagem de dinheiro e evasão de divisas através de criptomoedas. Por mais que o universo criptográfico esteja se tornando cada vez mais seguro e transparente, os ativos digitais ainda são uma maneira muito utilizada por criminosos para ocultarem bens de origem ilícita.

Crimes praticados na internet poderão ser descobertos através da colaboração dos países envolvidos na J5

Em um esforço conjunto, as autoridades tributárias de cinco países vão trabalhar entre si para fiscalizar transações envolvendo ativos digitais de forma colaborativa. A entidade também realizará ações conjuntas que podem envolver operações nos países que compõem a Global Tax Enforcement.

“Os chefes conjuntos da Global Tax Enforcement (conhecida como J5) estão empenhados em combater o crime fiscal transnacional através de uma maior colaboração na aplicação da lei. Trabalharemos juntos para coletar informações, compartilhar informações, conduzir operações e fortalecer a capacidade de agentes de fiscalização de crimes fiscais.”

A comissão visa coibir crimes praticados através de offshores e lavagem de dinheiro com criptomoedas. Esses crimes representam perdas econômicas para os países envolvidos, que agora trabalham em conjunto na J5.

Grupo se reuniu na última semana de junho para deliberar ações contra crimes digitais

Composta por cinco países, diversas instituições tributárias estão envolvidas no esforço conjunto em combate a lavagem de dinheiro. Compõem a J5, a Comissão Australiana de Inteligência Criminal (ACIC) e o Australian Taxation Office (ATO), a Canada Revenue Agency (CRA), o Dutch Fiscale Inlichtingen en Opsporingsdienst (FIOD), o British HM Revenue and Customs (HMRC), e Investigação Criminal da Receita Federal Americana (IRS-CI).

O primeiro encontro entre o grupo aconteceu na última semana de junho de 2018. Na reunião ficou acordado que transações envolvendo Bitcoins serão prioritárias nas investigações, por ser a criptomoeda de maior valor no mercado de ativos digitais atualmente.