Bitcoin (BTC) caiu 45%: criptomoeda vai conseguir se recuperar?

Bitcoin caiu 45% em novembro de 2018

Especialista revela motivos para o Bitcoin (BTC) voltar a subir

O preço do Bitcoin (BTC) caiu cerca de 45% em novembro de 2018. Essa foi uma das piores crises vividas pela criptomoeda nos últimos anos. Com essa desvalorização, o preço do Bitcoin (BTC) chegou a valores bem próximos de US$ 3 mil. Por outro lado, há cerca de um ano o token se preparava para alcançar quase US$ 20 mil em um mercado aquecido.

O momento atual é de crise para todo o mercado. Isso significa que não é somente o Bitcoin (BTC) que vive uma profunda desvalorização. Sendo assim, não há nenhuma outra criptomoeda que não tenha caído nas últimas semanas com o mercado em crise.

Somente o Bitcoin (BTC), por exemplo, viu seu preço despencar em quase 45%. Desse modo, essa queda surpreendeu a todo o mercado, que espera por uma recuperação do token.

Crise do mercado é movimento natural segundo especialista

Nem mesmo os investidores mais céticos esperavam por um desempenho tão negativo como aconteceu com o Bitcoin (BTC) em 2018. Contudo, após viver uma alta e disparar de US$ 1 para US$ 20 mil, a criptomoeda viveu um de seus melhores anos no mercado em 2017.

A promessa era de que 2018 fosse acompanhar a tendência do ano anterior. Desse modo, previsões apontavam para um Bitcoin (BTC) a mais de US$ 50 mil até o final do ano. Desde então isso nunca aconteceu, até agora, no mercado.

Segundo uma entrevista de Guilherme Rebane ao InfoMoney, a crise vivida no mercado em 2018 é completamente natural. Dessa forma, para o especialista e investidor de criptomoedas, essa queda não apresentou nenhum fator diferente do que já aconteceu em outros momentos no mercado.

Sendo assim, isso significa que outras crises já aconteceram e terminaram com uma valorização de todo o mercado.

Criptomoedas saem fortalecidas de uma crise no mercado

Além disso, o mercado em instabilidade consegue provar a que veio. Com uma crise, uma criptomoeda pode experimentar momentos de pânico, de grandes vendas e de preços no chão. Isso pode servir para criar uma experiência e um amadurecimento do token. O Bitcoin (BTC) que o diga.

“O movimento de 2018 foi muito saudável para o ecossistema. Da mesma forma que ele não foi um movimento de apreciação no valor dos ativos, apesar de a gente ter tido perdas expressivas, de 80 a 90%, dependendo de alguns dos ativos. Foi uma forma do mercado se testar”.

Em cinco crises que já aconteceram, o preço do Bitcoin (BTC) caiu mais de 75% nos últimos anos, incluindo a recente que aconteceu em 2018. Em alguns casos, esse índice ultrapassou os 90% de desvalorização.

Bitcoin (BTC) vai voltar a se valorizar no mercado?

Em relação a quando o preço do Bitcoin (BTC) pode voltar a subir no mercado, Rebane falou das dificuldades que a criptomoeda enfrentará. 2018 foi um ano de aprovações para o Bitcoin (BTC), que viu regulamentações sendo aprovadas em alguns países para as criptomoedas.

Para Rebane, esse cenário de regulamentação poderá motivar o preço do Bitcoin (BTC) a viver novamente dias de valorização no mercado.

“A gente tem que olhar para frente e tentar entender de onde viria uma regulação que ajude o ecossistema, para que o ecossistema possa se posicionar. E realmente entender se a gente vai ter uma retomada de fluxos pautada nos fundamentos”.

Além de uma possível regulamentação a nível mundial, e incluindo uma aprovação do (SEC) dos EUA, existe outro fator que poderá ajudar o Bitcoin (BTC). Faz mais de um ano que o mercado de ursos foi observado envolvendo o Bitcoin (BTC).

Isso faz com que o fluxo da criptomoeda não aconteça de forma natural, já que poucos retêm muitas unidades da criptomoeda. Sendo assim, de acordo com o especialista, uma retomada do fluxo normal do Bitcoin (BTC) poderia resultar também em uma valorização para o token.